O senador Rodrigo Cunha tem intercedido por setores mais vulneráveis durante a crise do coronavírus. Ele entrou em contato com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos para pedir apoio do governo federal às comunidades tradicionais, como quilombolas, indígenas, incluindo 300 famílias de ciganos que moram em Penedo e Carneiros, uma população bastante desassistida, e cuja situação vem se deteriorando rapidamente desde o início da pandemia.

“Na pandemia, comunidades que já enfrentavam dificuldades têm visto sua situação se deteriorar ainda mais, rapidamente. Meu trabalho no Senado tem focado muito em buscar ajuda do governo federal, que tem a obrigação de zelar principalmente pelos mais desassistidos neste momento”, informou Rodrigo Cunha.

Por meio de ofício, o senador pediu auxílio na prevenção à saúde, alimentação e cuidado com as crianças. Em outra frente, o senador alagoano procurou o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações para pressionar a Pasta a agir em prol dos quilombolas e comunidades indígenas que estão à margem da inclusão digital.

Hoje em dia, quem não tem acesso à internet está sujeito a uma série de privações, encontrando dificuldades inclusive para acessar assistência social a que tem direito. Em ofício, Rodrigo Cunha pediu a liberação de recursos para o projeto de inclusão digital em Alagoas, beneficiando principalmente essa população.

O senador já havia requisitado ainda em 2019 a instalação de antenas de internet banda larga para atender a 30 comunidades tradicionais, por meio do Programa Governo Eletrônico – Serviço de Atendimento ao Cidadão (GESAC), voltado a fornecer conexão à internet em áreas rurais e remotas (com vistas a atender a população de baixar renda).

Quando estiver em vigor, o serviço irá atender a mais de 2 mil pessoas que moram em locais de difícil acesso em Alagoas. Na pandemia, o acesso à internet faz-se ainda mais essencial, já que a necessidade de isolamento social torna o acesso a serviços básicos mais difícil. Rodrigo Cunha inclusive apresentou projeto para que o fornecimento de água, luz, gás, telefone e internet não seja interrompido mesmo em caso de inadimplência, durante a crise do coronavírus.

Outro setor que Rodrigo tem buscado atender é o rural. O homem do campo é um dos que mais tem sofrido com os impactos da estagnação econômica causada pelo coronavírus. Ciente das dificuldades que o setor tem enfrentado, o senador procurou o Ministério da Agricultura e Pecuária em busca de apoio aos produtores de leite de Alagoas.

No estado, a maior parte deles é formada por agricultores familiares. Durante a crise, o setor tem encontrado dificuldade de escoar a produção, o que tem resultado em perda de renda e de capacidade de produção.

São cerca de 39 mil alagoanos impactados só na área de produção de leite. Por meio de ofício, Rodrigo Cunha pediu recursos para garantir a continuidade do Programa do Leite no Estado e para que esses trabalhadores possam formar estoques de produtos como leite em pó, queijo, manteiga e outros derivados do leite, e assim vislumbrar a manutenção de suas atividades e suas rendas.

Mais uma ação de Rodrigo Cunha foi voltada para os pequenos produtores rurais que dependem da doação de sementes por parte do governo federal. Estamos falando de cerca de 16 mil agricultores que precisam de um suporte na aquisição de sementes. A maioria está sem receber o principal insumo para produzir.

O senador procurou o Ministério da Cidadania cobrando que, dentro do Programa de Fortalecimento e Dinamização da Agricultura Familiar, esses produtores sejam atendidos com o repasse de sementes e insumos principalmente para o plantio de milho, arroz, feijão e sorgo, bem como recursos para a instalação de viveiros de mudas.

Acompanhe o trabalho do Rodrigo Cunha




Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of